Aguarde, o site está a carregar...
Loading...

Serviços

Checksaúde PSA (Antigénio específico da Próstata) (4€)

Patologias da próstata e sintomas

 

A próstata tem dois períodos de crescimento, o primeiro na puberdade, onde duplica o seu tamanho, continuando depois a crescer lentamente até à quinta década de vida. O segundo período de crescimento dá-se, na maioria dos homens, por volta dos 50 anos e é a partir desta fase de crescimento que podem surgir problemas.



O seu crescimento comprime a uretra, dificultando a micção. Quando associado à obstrução directa pela próstata, a alteração do fluxo urinário normal origina sintomas obstrutivos. Por outro lado, quando relacionado com as repercussões negativas do próprio fluxo urinário anormal sobre a bexiga, denominam-se sintomas irritativos.



Os indivíduos com mais de 50 anos ou com mais de 40 anos e antecedentes familiares de cancro da próstata ou outros factores de risco devem fazer uma avaliação clínica anual da próstata, mesmo que não tenham sintomas.

 

Os sintomas urinários associados a um aumento do volume da próstata podem surgir em três situações:



· Cancro da Próstata (CaP)



O cancro da próstata é extremamente frequente, ainda que a sua causa exacta seja desconhecida. Geralmente, o cancro da próstata cresce lentamente e não manifesta sintomas, a menos que se encontre em estado avançado. Por vezes os sintomas parecem semelhantes aos da hiperplasia benigna da próstata, incluindo a dificuldade em urinar e a necessidade de o fazer com frequência. Estes sintomas surgem porque o cancro bloqueia parcialmente o fluxo pela uretra. Mais tarde, o cancro da próstata pode provocar urina com sangue ou uma retenção urinária súbita.



· Hiperplasia Benigna da Próstata (HBP)



A hiperplasia benigna da próstata é uma formação não cancerosa (benigna) desta glândula. A hiperplasia benigna da próstata é frequente a partir dos 50 anos. A causa é desconhecida, mas pode ter que ver com as alterações nos valores hormonais que se verificam com o envelhecimento. Num indivíduo com hiperplasia benigna da próstata urina, devido ao crescimento da glândula e à consequente compressão do canal urinário, a bexiga pode não se esvaziar por completo, criando por vezes a necessidade de urinar mais frequentemente e afectando o volume e força do jacto urinário.



· Prostatite


A prostatite é uma inflamação da próstata. Em geral, a prostatite não se deve a uma infecção que se possa identificar, mas, por vezes, uma infecção bacteriana estende-se até à próstata, a partir do tracto urinário.
A infecção da próstata provoca dor na virilha, entre o pénis e o ânus e na parte inferior das costas, bem como calafrios e febre. O doente também pode precisar de urinar com frequência e de forma imperiosa e pode aparecer sangue na urina.

 

É de salientar que é importante procurar orientação médica. logo que surjam os primeiros sinais ou sintomas urinários como:



· jacto urinário gradualmente mais fraco;
· dificuldade ou demora no início da micção;
· necessidade frequente de urinar;
· acordar à noite para urinar;
· interrupção involuntária do jacto urinário;
· presença de sangue na urina;
· dor ou sensação de ardor durante a micção;
· sensação de que não pode segurar a urina;
· sensação de esvaziamento incompleto da bexiga

 

Antigénio Específico da Próstata – PSA



O antigénio específicio da próstata (PSA) é uma proteína produzida pelas células da glândula prostática.
O PSA é produzido pelo corpo e pode ser usado para detectar doenças, sendo por isso designado de marcador biológico.
A sua Farmácia utiliza um teste rápido imunocromatográfico para a detecção do PSA, que utiliza sangue total capilar, obtido facilmente por picada no dedo.
Este método permite obter um resultado qualitativo, por leitura visual da placa (resultado inferior a 4 ng/mL ou superior a 4 ng/mL).
É normal haver nos homens baixos níveis de PSA no sangue. Contudo, o cancro da próstata ou condições benignas (não cancerosas) podem aumentar os níveis de PSA.

 

Interpretação dos resultados

 

Valores de PSA (ng/mL) Idade
   
0 – 2,5 ng/mL 40 – 49 anos
0 – 3,5 ng/mL 50 - 59 anos
0 – 4,5 ng/mL 60 - 69 anos
0 – 6,5 ng/mL > 70 anos

 

 

Os níveis convencionados como normais para o PSA total oscilam entre 0 e 4 ng/mL. No entanto, actualmente os peritos recomendam a estratificação do valor de PSA por idade.

 

Na interpretação do resultado do PSA deve ser tido em consideração: a idade do indivíduo, raça, história familiar, sintomas, queixas, outras patologias e terapêuticas efectuadas, dado que todos estes factores condicionam o valor de PSA.
Um valor aumentado de PSA não é específico de carcinoma da próstata sendo por isso, recomendada uma análise da situação, para posterior aconselhamento e recomendação à consulta médica. Apesar de o teste não poder, por si só, ser utilizado para fins de diagnóstico, é um bom indicador e, em combinação com outros testes, pode apontar para a necessidade de mais investigações.
A determinação do PSA através de método cromatográfico rápido não substitui o exame médico periódico e a realização de análises laboratoriais.
Outros factores podem estar na origem de um valor aumentado do PSA plasmático:

 

- idade – o tamanho da próstata aumenta com a idade e, consequentemente há um
aumento do PSA plasmático
- raça
- infecção urinária
- exercício físico intenso, por exemplo, andar de bicicleta ou hipismo
- ejaculação
- biopsia
- cirurgia
- ecografia transrectal

 


Recomendações
Têm um efeito benéfico sobre as doenças da próstata (HBP, CaP e prostatite) as seguintes medidas:

 

- dieta equilibrada e variada
- evitar a ingestão de alimentos ricos em gorduras saturadas, chocolates, carnes vermelhas e especiarias que aumentam a congestão prostática e acentuam a sintomatologia
- consumir alimentos que contêm flavonóides, como a soja, tofu e os legumes
- diminuir a ingestão de líquidos, particularmente à noite, para diminuir a noctúria
- evitar as bebidas alcoólicas, principalmente destiladas e cerveja, bem como o café, porque aumentam a congestão prostática e acentuam a sintomatologia irritativa
- manter a actividade física, fundamental caminhar, para ajudar a reduzir os problemas urinários (retenção)
- evitar estar muito tempo sentado, nomeadamente fazer viagens prolongadas (superiores a 2 horas)
- evitar alterações no trânsito intestinal, nomeadamente obstipação
- urinar em intervalos regulares
- evitar os ambientes frios, que favorecem a retenção urinária



Informe-se na sua Farmácia. Peça conselho ao seu Farmacêutico.

« Voltar